7 de março de 2016

{FILME} A Última Escolha de Allan A. Goldstein


Tudo bom com vocês meus amigos? Vou conversar com vocês hoje sobre um filme que faz muito meu estilo. Tiroteio, policial, drama. Todo a magia dos filmes dos anos 2000 em diante. É um filme que lembra muito meu pai (pois era meio que o tipo de filme que ele gostava também) e só por isso já é especial para mim. Estou falando do filme "A Última Escolha" dirigido pelo Goldstein. Vamos conferir?


Nome: One Way Out (A Última Escolha, em português)
Data de Lançamento no Brasil: 2002
Diretor: Allan A. Goldstein
Roteiro: John Salvati
Produção: Steve Beswick, Hélène Boulay e André Paquette
Fotografia: Sylvain Brault
Duração: 94 minutos
Alguns nomes do elenco: Jim Belushi, Jason Bateman, Angela Featherstone, Guylaine St-Onge, Jack Langedijk, Romano Orzari, Jack Daniel Wells, Larry Day, Angelo Tsarouchas, Mike Tsar, Anderson Chet Bradshaw, Michel Perron.

De acordo com a sinopse: "Harry Woltz (James Belushi) é um renomado detetive de homicídios, que freqüenta um extravagante clube noturno. O vício por jogos e pela vida noturna deixa Harry altamente endividado com os irmãos Russell, proprietários do clube, que em troca da dívida propõem que Harry mate a sexy Evans Farrow, outra sócia do clube. Tendo também a vida de sua companheira de trabalho e ex-amante, Gwen Buckley, ameaçada, Harry não tem outra escolha senão arquitetar o crime e correr o risco de ser preso pela própria parceira."


Eis um filme que começou bem morno e deu uma melhorada significativa do meio para o fim. No começo não entendi muito bem a trama, mas depois de um tempo, fui me familiarizando com os personagens e entendendo todo o contexto geral. Muitos criticaram como sendo o pior filme que o ator principal fez e eu não achei isso. Pelo contrário. Roteiro bem feito do filme, ótima atuação, desfecho aceitável e esperado. 

Não sei porque tanto chorôrô. A sinopse diz bem a ideia geral do filme. O filme é classificado dentro do gênero Policial, Drama, Thriller. Não tenho muito o que dizer, pois não quero revelar a magia do filme, se eu deslisar eu conto spoiler. A atriz que faz a parceira do personagem principal é bem talentosa e atua bem. Sem contar que é delicada e grossa para o ofício ao mesmo tempo.

Os papéis no mundo do crime, onde o dinheiro e o poder tomam conta de tudo, foram muito bem executados. Gosto quando tratam do assunto com a natureza e o deboche que (provavelmente) no mundo real existe descaradamente. Mostra bem a corrupção do lado "bonzinho" da força e traz a triste noção de que este tipo de coisa infelizmente existe mesmo. Policiais corruptos, não importa qual a motivação, realmente estão em todas as partes. Assim como os policiais honestos também. 

O filme trata bem como avaliar um quadro psicológico raso de uma das mentes criminosas da trama. Durante algum tempo você é realmente enganado por certo vilão em particular e só depois de um bom tempo que você percebe que caiu no jogo doentio de sua mente criminosa. Quem gosta dessa pegada thriller vai amar. Gostei bastante porque o desdobramento do personagem demonstrou muita segurança e sadismo. 

Queria poder comentar, sobre algumas cenas específicas, mas vocês me criticariam por isso. Sim, eu acabaria soltando spoiler, senão seria uma explicação muito ralé. hahaha Por isso recomendo vocês a assistirem e debaterem comigo nos comentários com spoilers. Alguém aqui já assistiu este filme? Caso já tenha venha conversar. Para os amantes do gênero é uma deliciosa pedida. Perdão pela resenha curtinha. 

Até depois. 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.