17 de maio de 2016

{RESENHA} A Lista Negra – Jennifer Brown ✘


Olá leitores vorazes, trago hoje a resenha de um livro tocante, um romance de estreia da autora norte-americana Jennifer Brown. Vamos conferir? #GO


Ano de Lançamento: 2012
Número de Páginas: 272
Editora no Brasil: Gutenberg
ISBN: 978-85-65383-11-0

Sinopse: E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas. A lista negra, de Jennifer Brown, é um romance instigante, que toca o leitor; leitura obrigatória, profunda e comovente. Um livro sobre bullying praticado dentro das escolas que provoca reflexões sobre as atitudes, responsabilidades e, principalmente, sobre o comportamento humano. Enfim, uma bela história sobre autoconhecimento e o perdão.


“E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama?”

Comprei esse livro em um sebo virtual pelo fato da mídia e dos blogs em geral terem feito tanta divulgação em cima da obra, então obviamente fiquei morrendo de vontade de ler. Eu fico tentando começar essa resenha, mas confesso que não tenho palavras para iniciar.

Em uma escola pública norte-americana, Valerie e Nick (seu namorado) sofrem bullying e constantes humilhações por parte de alunos populares e “poderosos”. Ambos compartilham uma lista Negra, onde escrevem o nome de coisas, lugares, e principalmente pessoas que eles odeiam de corpo e alma. Até então, tudo era uma lista inofensiva. Só para Valerie.

Em uma manhã qualquer, dentre tantas provocações, apelidos, xingamentos e irritações a Val, uma praticante de bullying quebra o mp3 da mesma, deixando-a assim querendo se vingar, a fazer pagar, pois já estava farta de tanta marcação.

Val conta a Nick o incidente que aconteceu com ela e a “carrasca” e pede a ajuda dele para resolver a situação. Nick está estranho há alguns dias, mudado completamente e até um pouco distante de Val. Entretanto, neste dia, Nick está com um sorriso tenso, satisfeito e perturbador no rosto. Val não entende, mesmo assim não acha que seja algo grave.

Ambos vão em direção à menina que se desentendeu com Val naquela mesma manhã, na cantina do colégio afim de resolver a situação. Quando do nada, Nick pega a arma e sai atirando em todo mundo da lista. Tudo muito rápido. Quando o mesmo, vai e atira contra a pior inimiga de Valerie, então ela inconscientemente num ato de desespero, se joga na frente da inimiga e salva a vida dela, levando assim um tiro na perna. Logo após ver sua namorada baleada, Nick em seguida se suicida. Muitos são baleados, outros morrem na hora, outros correm para salvar à sua própria vida, outros ficam gravemente feridos. Fica assim na memória o banho de sangue e terror das pessoas que restaram.

Depois desse incidente todos os que sobreviveram ficam chocados e o colégio Garwin, as famílias e, sobretudo os estudantes ficam marcados permanentemente pela tragédia. Logo depois, a direção proíbe qualquer isolamento de alunos nos corredores, promove campanhas de proteção, segurança massiva em cima do colégio, tudo para que uma futura tragédia semelhante não venha a ocorrer. Sem contar a mídia, detetives e médicos de um lado, crucificando os envolvidos e Valerie consequentemente.

O romance foca muito na vida da jovem Valerie, em como ela continuará a vida depois da tragédia, como ela pensa a respeito das acusações, das pressões psicológicas, como ela lida com o trauma de ter um namorado assassino e ao mesmo tempo para ela romântico, como enfim, tudo acontece dentro de sua cabeça. Depois do incidente, uma reviravolta acontece na vida dos estudantes, outros mudam para melhor, outros ficam amedrontados, outros entram em depressão, outros julgam e são julgados. Enfim, os alunos mudam completamente.

Para Val, Nick era um cavalheiro, o romântico apaixonado que a cortejava, declarava seu amor eterno e nunca a abandonaria. Era seu Romeu e ela sua Julieta. Mas para outras pessoas, ele era um assassino cruel e Valerie sua parceira. O pai da personagem principal é um nojento se me permitem dizer. Meu Deus, que homem sem escrúpulos, asqueroso, terrível. Em todo o livro ele ficou manchado para mim. Não deu para engoli-lo. Nunca apoiou a Val, sempre a julgou, nunca foi um pai de verdade. Sempre foi um desconhecido.

Eu assemelhei muito a personagem Valerie com a Violet do seriado American Horror Story. Em personalidade, vida, gostos, estilo, tudo. Achei um verdadeiro perfil de personagem para se basear. Deixo a dica de identificação. 

Cara, impossível não lembrar-se da Tragédia do Realengo, que ocorreu em Abril de 2011 no Rio de Janeiro. Onde o um ex-aluno entrou na escola e matou estudantes dentro de sua própria sala de aula. O país e o mundo ficaram chocados. Segundo fontes seguras, o assassino teria sofrido muito bullying quando estudava. Pode não justificar essa ação sangrenta, mas MEU DEUS DO CÉU, quem somos nós para julgar alguém? O julgamento ficará para Deus no final das contas.

Ultimamente temos visto muitas campanhas em cima desse tema: Bullying. E apoio totalmente essa conscientização de que isso é uma coisa infantil, maldosa e estritamente errada. Esse tipo de prática é inadmissível. Um caso conhecido da mídia é a cantora Demi Lovato que diz ter sofrido bullying na infância. Dentre tantas outras ocorrências envolvendo pessoas diferentes.

Eu tive medo de escrever essa resenha, pois tinha suspeitas de que seria enorme. E realmente. A resenha ficou pesada, mas não poderia ser diferente. Não deu para relatar em tão poucas palavras a emoção que esse livro traz, a forma que a autora escreve sobre o tema, o que deve acontecer com os personagens (nem todos superam e vivem um final feliz, a vida continua, sim. Mas a tragédia não é esquecida), etc. Só falei um pouco da essência da trama, da obra em si e o que ela gera nos leitores. Queria eu poder falar com autoridade de um livro tão chocante, apreensivo e gerador de tristeza/compaixão/perdão.

Um dos melhores livros que já li até hoje. Me contem o que acharam da leitura. Até amanhã. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.