25 de junho de 2016

Como melhorar a concentração nos estudos

No post de hoje venho com algumas dicas pessoas de como melhorar e manter a concentração nos estudos com base em minha experiência como um eterno estudante e consequentemente aprendiz. Ao longo dos anos percebi uma realidade nada amistosa para o jovem no Brasil: se você quer ser alguma coisa na vida, tem que estudar. Isto seria algo lindo e normal de se ouvir se tivéssemos uma estrutura de ensino que comportasse o saber da maneira prazerosa que ele é e não como um peso que o estudante é "obrigado" a carregar até finalizar o ensino médio.

Infelizmente essa é a visão que a maioria dos alunos forma com relação aos estudos e isto é péssimo, pois estudar é um dos maiores prazeres da vida. Estudar quer dizer na maioria das vezes conhecimento e conhecimento é clareza, poder (ao menos na maioria dos casos). Creio que a maioria dos alunos já saem da escola odiando a mesma por causa de inúmeros fatores. Dentre eles alguns são: professores desmotivados que não cumprem com dignidade seu papel (seja pelas quais forem as razões e desgostos pessoais), mínimo incentivo dos pais em casa para estudar por prazer, matérias excessivas e conteúdos desnecessários, falta de clareamento qual carreira seguir, etc. etc. etc. São inúmeras as possibilidades que formam o desgosto da maioria dos alunos neste país. 

Quando saímos do ensino médio vem aquele choque de realidade que nos derruba e nos põe medo. Um medo que é compreensível e alguns conhecem mais cedo que outros. Corre-se para cursinhos (quem tem condições financeiras melhores, salvo alguns casos de alunos que trabalham para pagar suas mensalidades para não ficarem fora das salas de aulas), onde não há garantias de aprendizado, somente um monstro capitalista que precisa ser engolido sem muitas reclamações. Muitos alunos possuem dificuldade em matemática básica por causa de seu péssimo ensino fundamental e médio em escolas do governo e muitas particulares desestruturadas. 

Devido a tudo isto e infinitos problemas e casos à parte, o aluno de maneira altruísta e solitária, tenta criar truques e hábitos que o ajudem a melhorar a concentração nos estudos. Alguns desses truques funcionam para uns. Para outros nem tanto. No meu caso foi assim. Desenvolvi algumas dicas que funcionam para mim e vão me aprovar no temível vestibular. Vejamos:

1) Atenção máxima;

Talvez essa seja minha dica mais pessoal e uma das mais importantes. Passei anos sem ter muita atenção em sala de aula (eu como milhões de estudantes perco o foco fácil) e isso me custou caro. Sem prestar atenção, eu tinha que sempre voltar à explanação da matéria e rever tudo como se estivesse vendo pela primeira vez, isso quando eu retornava para estudar e não passava para o próximo assunto (o que acontecia na maioria das vezes e eu acabava atropelando e esquecendo assuntos). Nunca aprendia de verdade. 

Creio ser de suma importância focar no assunto do momento e dar todo o sangue para aprendê-lo. Sem distrações, sem desculpas, sem atrasos, sem mimimi. Sério. Você quer ou não quer aprender alguma matéria e seus muitos assuntos? Presta atenção em cada assunto por vez. Não escute nada além da explicação e se envolva com a matéria. Só largue-a quando aprendê-la. Não esqueça: atenção máxima!  

2) Usar todos os recursos possíveis para aprender a matéria;
Ficou com dúvida? Vai ver vídeo-aulas no Youtube, Vimeo e inúmeros canais gratuitos e pagos na internet. É pouco? Vai ler todo o capítulo do assunto em questão de novo. Não sanou as dúvidas que esqueceu na aula? Comece a gravar e organizar áudios de todas as aulas de determinado professor. Depois vá e reveja e ouça tudo de novo. Não entende seu livro didático? Procure outros livros com o assunto em questão. Peça a seu amiguinho que sabe mais a matéria e o assunto trabalhado e explore ele no tempo livre dele (caso para ele esteja tudo bem, respeite-o). São centenas de possibilidades para você aprender determinado assunto de tal matéria. Acredite: se você não entendeu da primeira vez você é normal e acredite mais: é humanamente possível você aprender 99% de tudo que é ensinado. Basta força de vontade e muita humildade. 

3) Escreva tudo o que o professor falar ou até gesticular;

Sempre tive o hábito de escrever. SEMPRE. Esse hábito levo para minha vida estudantil (não digo nem acadêmica, vai além) até a minha morte. Sempre escreverei, pois me ajuda demais a lembrar de algum conteúdo e simplesmente organizar minhas ideias e pensamentos. E acredite, são infinitamente perturbadores. Escreva tudo que puder e der, faça garrancho mesmo, depois organize passando a limpo se for o caso e se você quiser tudo mais organizado. É você quem dita as regras. Escreva e veja se funciona para você. 

4) Explore seu professor ao máximo, tire dúvidas, questione-o;
Se tem uma coisa que eu não fazia por um bom tempo porque tinha vergonha era perguntar ao professor(a). Hoje em dia pergunto até as dúvidas mais "simples" pertinentes ao assunto da aula no momento e vejo que isso só traz benefícios. Sério. Já tirei dúvidas que foram decisivas para minhas aprovações. Com perguntas você além de tirar dúvidas, você pega curiosidades e detalhes que são extensões de determinado tema ou "história". Você descobre coisas novas que você nem sabia que existia. Te aconselho a perguntar sempre que surgir uma dúvida. Não se sabote. Aquele que pergunta passa nas provas da vida e aprende mais. 

5) Treine seu cérebro a lhe obedecer.

Até muito recentemente, eu como muitas pessoas, tinha dificuldades de sentar e estudar, pois tudo era uma preocupação, um afazer, uma inquietação. Pela falta de hábito em estudar todos os dias um pouquinho, eu me via querendo jogar o livro pela janela e tocando fogo em outro para pisotear (me julguem, hahahaha). Depois de um tempo comecei a treinar meu cérebro e o fiz reconhecer as horas sagradas de estudo. Nos primeiros dias foi terrível, porém melhorou muito até hoje. Você já deve ter ouvido falar em como nosso cérebro AMA o lazer e sensações que proporcionem prazer, e de fato, é isso mesmo. 

Queremos sempre o caminho mais fácil (a maioria) e nunca o questionamos. E isso é terrível para nós. Nocivo. Suponha-se que você seja um ser humano normal (ou não) e não tenha o hábito ou gosto por estudar... certamente sentar e obrigar seu cérebro a se concentrar não será tão prazeroso como estipulado. No começo será difícil, mas depois melhora e você tomará gosto pelo estudo, garanto.

Talvez eu faça outro post falando mais dicas sobre o assunto. Estas foram observâncias que funcionam para mim e que levei algum tempo para aprender. Estudar é um dos maiores prazeres da minha vida e nunca mais me vejo sem aprender algo novo todos os dias da minha vida. Conhecimento é amor, é alegria, é satisfação. Aprender deveria ser ofício (pelo menos oficialmente). 

Quer mais concentração na leitura? Leia mais. Leia de tudo que lhe cabe ler. Leia, leia, leia. O que você faz todas as noites? Dorme? Separe uma ou duas madrugadas para ler por prazer. Garanto que seu sono vai embora rapidinho e você vai chorar ou rir na cama de tão envolvido(a) que você estará na leitura. Tem os intervalos nos transportes coletivos que você pega ao longo do dia na ida para a escola, faculdade, mestrado, trabalho? Ah, coração. Use-os. Use os minutinhos e horas que você "perde" dentro dos ônibus ou do carro. Aproveite cada segundo que você estiver afim para aprender algo novo. 

Assim como os músculos mais gerais do corpo precisam de peso para evoluírem, nosso cérebro precisa de leitura e estímulos para mostrar sua capacidade extraordinária de fazer de você um ser fenomenal. Permita-se aprender. Dê-se uma chance de crescer e amadurecer sua leitura, sua escrita, seu modo de falar, sua sensibilidade de ouvir. Absorver bons conteúdos só traz benefícios. Preste atenção ao seu redor, tudo pode ser aprendizado.

Sua concentração nos estudos depende da sua motivação para aprender. Na verdade se resume a isso. O quão motivado(a) você está para aprender. De forma mais ampla é só isso. Qualquer dúvida vem falar nos comentários. Até amanhã amados e queridas. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.