25 de junho de 2016

O que tenho ouvido esta semana 🎶 #1

Estou iniciando hoje uma nova série de posts (que planejo não ter fim nem tão cedo) onde conto para vocês um pouco do que ouvi durante a semana e minhas playlists viciantes (pelo menos para mim) da semana. Espero que nestes posts conheçamos novas bandas e saibamos apreciar as que já conhecemos. Aprendamos a ouvi-las com novo ouvidos e valorizá-las como armas de alegria que são, afinal, música é aquilo que nos alegra, nos motiva e vai muito além disso. 

Ah, e vale a pena esclarecer que escuto de tudo, então terão músicas de vários gêneros aqui. Comecemos. 

1) Badlands da cantora/compositora Halsey;
De acordo com fontes como a Wikipédia, #Badlands é o primeiro álbum de estúdio conceitual da estadunidense Halsey. Estou viciado no álbum em si, principalmente na faixa de nome #Castle, primeira do álbum. Está sendo uma ótima descoberta. A voz da cantora é cativante e cheia de graves agradáveis de se inspirar. Ela tem paixão de espírito com letras marcantes e expressivas. Determinada combinação não poderia sair errada, né? Ouçam!


Nome: Badlands
Ano: 2015
Gênero: Alternativo
Artista: Halsey






2) How Big, How Blue, How Beautiful da banda Florence and the Machine;
Terceiro álbum de estúdio da banda inglesa de mesmo nome citado acima. Este álbum não foi muito o que eu esperava, apesar de ver ótimas composições. Entretanto a faixa Queen of Peace me agradou bastante e é uma das melhores do projeto para mim. A capa é simples e maravilhosa. Tenho ouvido bastante esse álbum esses dias e se for do gosto de vocês, ouçam também. Qualidade impecável.



Nome: How Big, How Blue, How Beautiful
Ano: 2015
Gênero: Alternativo
Artista: Florence and the Machine (banda)





3) Júpiter do cantor/compositor SILVA;
Conheci esse álbum não lembro como. Confesso que o que me ganhou de início foi a capa do disco. Rapaz, que conceito diferente. É o terceiro álbum de estúdio do cantor brasileiro e foi uma boa descoberta. Ritmos bem acertados, voz suave e na medida. Inovação em algumas faixas. Caso vocês não conheçam o artista, valorizem e compartilhem o amor cantado por ele. <3




Nome: Júpiter
Ano: 2015
Gênero: Alternativo, indie pop 

  • Artista: SILVA






    4) Geidi Primes da cantora Grimes;
    É o primeiro álbum de estúdio da cantora canadense. Minha música preferida deste projeto é a Sardaukar Levenbrech. Que música boa! Todas as outras faixas também estão de parabéns, muito cuidado e talento. Fiquei feliz em conhecer.





    Nome: Geidi Prime
    Ano: 2010
    Gênero: Alternativo, Eletrônico
    Artista: Grimes






    5) Lukas Graham pelo Lukas Graham.
    Para fechar com chave ouro trouxe esse álbum porque é um conjunto de emoções e passei algumas semanas ouvindo de cabo a rabo. Terminava de ouvir o disco e já colocava o player ouvindo assim tudo outra vez. É muito bom! Trago destaques para as faixas: Take the World By Storm e Better Than Yourself (Criminal Mind, Pt. 2). São MUITO boas. Sem comparação. É a minha maior recomendação de hoje. 


    Nome: Lukas Graham
    Ano: 2016
    Gênero: Pop, alternativo
    Artista: Lukas Graham







    Curtiram esse tipo de post? Comenta e me diz o que achou para que eu continue ou não fazendo. Até amanhã leitores maravilhosos. 

    Ewerton Lenildo
    Ewerton Lenildo

    Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Laços atemporais

    Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

    Festim enigmático

    Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

    Atauúba atiaîa

    Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.