28 de agosto de 2016

{FILME} A Lenda de Tarzan do David Yates


Oi, amigos! Tudo bem? Assisti "A Lenda de Tarzan" faz umas duas semanas no cinema e saí bem satisfeito com o resultado desta nova versão cinematográfica. Vamos conversar sobre este filme? 

De início, já quero pontuar: vi muita gente criticando horrores e dizendo que era muito ruim, que não valia a pena, que ficou muito mal explicada algumas cenas. Resultado: EU, particularmente EU, não achei que ficaram pontas soltas. Pelo contrário. Achei bem pertinente tendo em vista que é uma ficção e não se trata de fatos reais. Foi bem feita dentro dos parâmetros permitidos pelo gênero. 

O filme é do gênero dramático, ficcional e de ação. Tem duração de uma hora e cinquenta minutos. Algo que nem notei passar de tão bom que foi a história. Quase duas horas de filme e não me senti cansado. Foi lançado oficialmente no Brasil no dia 21 de Julho deste ano e tem como diretor o David Yates. O roteiro foi composto pelo Adam Cozad.  

A música foi composta pelo Rupert Gregson-Williams e a trilha sonora estava sensacional do começo ao fim! Já começo falando da música inicial. GENTE. DO. CÉU. Que voz daquela mulher. Como sou bem curioso fui pesquisar quem de quem é a voz que abre o filme e o nome da cantora e atriz é Zoe Mthiyane! Ela é da África do Sul e tem uma voz espectral. Claro que procurei internet cima a baixo para ver outros trabalhos da cantora, mas não encontrei muita coisa. Só encontrei um vídeo de uma apresentação dela onde a mesma destrói qualquer carreira. Lindíssima! hahahaha 
Mas voltando ao foco do post, o filme, já comecei a gostar. A música dá início com belas paisagens do Congo, país belíssimo e em algumas partes intransitável. Uma África desconhecida para a maioria do globo terrestre. Viva, próspera e muito, mas muito selvagem. Depois desta introdução sobrenatural a história começa a se desenrolar dentro dos parâmetros que já conhecemos: a exploração e ganância desenfreada do homem sobre a natureza. 

Os primeiros personagens aparecem e já fica evidente uma caça ao Tarzan, movido pela vingança de um sangrento chefe tribal. Me fiz entender? Faltou um elemento aí. Quem caça o Tarzan? Este personagem é um branco da alta sociedade e que negocia venda de riquezas (ilegais ou não) para ricos mais perigosos ainda. Gente "grande" no mundo capitalista. Ele recebe diamantes do chefe tribal para capturar o Tarzan. 

A vingança se deve por algo que não posso revelar. Tem toda uma história por trás, óbvio, e que irá ser explicada aos poucos no filme. Nos pegamos inseridos num mundo totalmente desconhecidos por nós das grandes cidades iluminadas e cheias de regras. Entramos em vilas e povoados simples, amparados pela selva e pela savana africana. Imagens belíssimas e que amo de paixão. 
A simplicidade me inspirou na hora e me vi visitando aquele país e suas tribos com costumes, língua e direcionamentos únicos. A natureza é gritante de tão bela. O som da natureza imperando livremente. Sem contar na calmaria sem o uso de tecnologias, iluminação básica sem energia elétrica, o modo de vida acolhedor e de sorrisos abundantes do povo da aldeia. Encantador e de um charme incomparável.

O ator que fez o Tarzan está muito bem de forma para o filme. De verdade. E fez uma excepcional atuação. Alto, encorpado e com uma desenvoltura de causar inveja a alguns. Eu já conhecia o ator de outros trabalhos, inclusive do seriado True Blood, como o vampiro Erik. Amava o personagem. Já o admirava daquela época.

O filme tem uma abordagem diferenciada dos outros filmes já criados sobre a estória. Não começa exatamente com os pais do Tarzan sendo atacados e não foca tanto na infância do personagem. Claro que há imagens, cenas e situações explicativas para a melhor compreensão da trama. Entretanto, não achei que foi este o foco do filme. O foco foi na idade adulta do mesmo. O que na minha opinião foi bem melhor. Um desdobramento inteligente dos produtores. 
Só para vocês terem uma noção mais técnica do que se trata no filme, confiram a sinopse: "Releitura da clássica lenda de Tarzan, na qual um pequeno garoto órfão é criado na selva, e mais tarde tenta se adaptar à vida entre os humanos. Na década de 30, Tarzan, aclimatado à vida em Londres em conjunto com sua esposa Jane, é chamado para retornar à selva onde passou a maior parte da sua vida onde servirá como um emissário do Parlamento Britânico." Bem meia boca, mas dá um norte. 

Muitos criticaram as cenas de ação "exageradas". Na minha opinião, foi de bom tamanho e deveria ter mais. Sou super fã de ação (e o nome já está dizendo, né? AÇÃO!) e de lutas. Amo! Vamos para outra sinopse, agora mais completa:

"Passaram-se anos desde que o homem antes conhecido como Tarzan (Alexander Skarsgård) deixou as selvas de África para trás para uma vida sofisticada como John Clayton III, Lorde Greystoke, com sua amada esposa Jane (Margot Robbie) ao seu lado. Agora, ele foi convidado para voltar ao Congo para servir como um emissário de comércio do Parlamento, sem saber que ele é, na verdade, um peão em uma convergência mortal de ganância e vingança, organizado pelo belga Capitão Leon Rom (Christoph Waltz). Mas aqueles por trás da trama assassina não tem ideia do que estão prestes a desencadear." Bem melhor. <3

De forma geral: amei o filme, achei que foi um entretenimento bem pago, me inspirou, me marcou em certos momentos (como em algumas cenas que fiquei chocado com a violência de alguns gorilas) e me fez refletir sobre algumas coisas como desigualdade, simplicidade, racismo e pobreza. Reavivou a chama no meu coração de visitar o continente africano e alguns outros sentimentos de infância. Super recomendo! Inclusive para quem ama aventura (como eu). 

Alexander Skarsgård um salve de palmas para este brilhante ator! Por hoje é só. Creio que comentei tudo o que eu queria sobre o filme. Você já assistiu? O que achou? E quem ainda não assistiu? Qual ideia que você tem do filme? 

Ps: fui procurar livros sobre a temática e não encontrei nenhum oficial sobre A Lenda de Tarzan. Vocês conhecem algum livro da história ou que deu origem ao filme? Se puderem me recomendar, fico grato! Já quero ler. Até breve, abraços. 

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Boa Noite Ewerton tudo bem?
    Infelizmente eu ainda não assisti ao filme, mas confesso que após de ler o seu post acabei ficando curiosa principalmente pelos novos elementos tratados na estória. Achei esse novo contexto de ele se tratar de um peão para algo muito maior e relacionada a ganância humana simplesmente genial!
    Parabéns pelo post!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Margo! Que ótimo que gostastes. Volta logo, abraços.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.