22 de agosto de 2016

Para quê ter ideias se elas não têm nenhuma aplicabilidade?



Quantas vezes você já não teve uma ideia (ou algumas ideias) extraordinária e ela ficou esquecida no papel? É natural no nosso dia a dia termos ideias fabulosas e acabar colocando-as nas gavetas para usarmos num futuro próximo que nunca chega. É justamente sobre o fato de termos ideias e a importância de colocá-las em prática que quero conversar com vocês hoje. Comecemos. 

Nas últimas semanas estive envolvido com temáticas e instigas criativas que todo blogueiro deve ter passado ou passará em sua trajetória de blogagem. É muito bom ter ideias pipocando a todo momento, inspirações surgindo e tudo mais, mas o que acho mais dificultoso é como vou encaixar isso na prática. Como vai entrar nos moldes do que tenho hoje. Claro que muitas mudanças devem ser feitas (na maioria das vezes) para que as novas ideias encontrem um contexto plausível de se modelarem. 

Entretanto, não é isso que sempre ocorre. É muito importante que não só tenhamos ideias (claro que isso é fundamental para qualquer assunto ou etapa da nossa vida), mas que também as executemos e façamos as modificações necessárias para que elas saiam da cabeça e virem físicas (ou virtuais). Mas o foco aqui é para que evoluam e amadureçam. 

Quer fazer o que quer que seja? Dê o primeiro passo. Depois faça aos poucos. Fazendo assim, você estará se ajudando, colhendo coisas que você nunca esperou e ainda provoca um desenvolvimento pessoal em você mesmo. É interessante observar que, como bem sabemos, inúmeras ideias excelentes nascem e morrem todos os dias nas mais diversas partes do mundo e só não vão para frente, porque quem as pensou coloca mil e uma dificuldades antes mesmo de reconhecer sua importância e magnitude. 

Este post de hoje veio como dica especialmente para mim que escrevo. Estou sempre em fase de produção, de criação, de experimento e, tudo que me enriquece procuro guardar no mais íntimo do meu ser e depois compartilhar com o próximo. Tenho o simples hábito de usar o bloco de notas anotar meus pensamentos no dia a dia, minhas ideias e tópicos que quero pesquisar quando eu chegar em casa mais tarde. Caso você não o faça, recomendo começar. 

Essa foi minha alternativa para substituir aquele caderninho que eu vivia transportante de cima para baixo e anotando loucamente. Quis ser um pouco mais sustentável e usar menos papel desnecessariamente. Além de ser mais econômico e acessível a um toque. Como comentei acima, o post de hoje acaba chegando como dica. Vamos ter ideias! E vamos sim tentar colocá-las em prática! O mundo agradece e gosta de boas ideias. Coloquemos em prática nossos sonhos e de maneira eficiente. Até amanhã.

Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.