12 de setembro de 2016

Represas de um desaceleramento


No mesmo instante que quis escrever este post, pensei em não fazê-lo. Você já teve a sensação e já se sentiu compelido a mudar? Tentado a desacelerar? Coagido a focar somente no que é realmente prioridade? Se não for para mostrar o verdadeiro, o real, a inspiração e empolgação sincera de outrora, para quê continuar insistindo nesse caminho? São estes tipos de pensamentos em que me vi mergulhado nas últimas semanas. Para fazer, tem que ser bem feito e sem muitas desculpas ou reclamações. 

Houve uma época na minha vida, em que eu amava a agitação da cidade grande, sonhava em voltar e participar novamente de toda este caos que parece não ter fim, muitas conversas, muitas pessoas, muitos problemas, muitas novidades. Mas é aí que acho a vida interessante e como somos feitos de fases. Tirar aprendizados de toda e quaisquer experiências é algo obrigatório nesta corrida que parece (e é) sufocante. Chegou um tempo, em que eu aqui na cidade grande tão sonhada e idealizada, me vi querendo voltar ao belo e simples que conheci há alguns poucos anos. Como poderia eu desejar aquele silêncio novamente, se eu super hiperativo, com a mente elétrica, no auge da vida radiante, já o detestei tanto? Nisto está a mágica que me ocorreu de dentro para fora. Que só eu sabia até então, até conversar com vocês neste post. 

Dito isto, informo a vocês que passarei por um período de desintoxicação das mídias sociais, tempo este indefinido. Pode durar uma semana, pode durar um ano. Tenho uma condição: só volto para cá e para todas as minhas mídias sociais e do blog, quando eu estiver renovado, leve, limpo e mais tranquilo (mentalmente e fisicamente falando). Só quero leveza. Sentido. 

Um dos problemas em lidar com muitas informações ao mesmo tempo é justamente este equilíbrio que precisamos adquirir para não enlouquecer, entendem? É super natural estarmos envolvidos em inúmeras atividades, lidar de forma leve com elas até, porém - creio eu - devemos saber a hora de fazer uma reciclagem em tudo o que estamos depositando energia, tempo e dinheiro. Se isto não acontecer corremos o sério risco de nos desmantelarmos e nossos parafusos mentais saírem correndo sem direção. Não é algo raro ou isolado. Falo mais sobre "excesso" de informações em posts posteriores deste aqui.

Estou com o intuito de me reconectar com o simples, com o belo, com a natureza, com a calmaria. Com uma vontade gritante de me revolucionar, me envolver com o que amo de modo mais intenso, de viver de maneira mais real as pessoas que são importantes para mim de forma mais íntima e que deposito confiança. Essa fase de desperdiçar energia com o que não me representa foi-se há algum tempo. Não é mais válido para mim, entendem? Nem quero mais participar de certos teatros. 

E digo mais: mesmo me ausentando por enquanto, já afirmo e confirmo com vocês, a presença de novidades para quando eu voltar. Estou com algumas tantas ideias que, sinceramente, creio que vocês irão adorar. Não vou acabar com o blog, nem esta é a intenção com esta pequena pausa agora. É somente um tempinho que estou tirando para me renovar. 

Espero compreensão e desejo sempre ótimas leituras (leia-se: também estarei lendo loucamente). Até logo, amigos. 
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Oi Ewerton, tudo bem? Espero que sim.
    Já fazia algum tempo que não passava por aqui, e fiquei meio sem chão quando cheguei aqui e me deparei com este post. Cara, seu eu te falar que tbm ando me sentindo assim, você vai achar que é pra fazer graça... Hoje mesmo estava em conversa profunda comigo mesma e uma amigona, falando justamente sobre isto. Sobre estar cansada de mim mesma, das coisas ao meu redor e de estar com muita vontade de me redescobrir. Dar um tempo pra mim e tal. Espero de coração que você consiga se achar e se reconectar e que sua ausência seja breve.
    Grande abraço e ótimas leituras.
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lia querida! Estou bem sim, ótimo na verdade, obrigado pelo carinho.

      Senti falta dos teus comentários por aqui. Pois é, assim como você, com este post assinei minha sentença de libertação em busca do meu ideal, de me reorganizar, me remodelar e descobrir o sentido na minha vida. Desses meses para cá posso afirmar com mérito que mudei radicalmente, começando pela minha mente e acho esta mudança a mais significativa de todas. Estou voltando hoje para o blog e para tudo que dei uma pausa para respirar e me redescobrir. Estou renovado e agora tudo está sendo estabilizado.

      Ótimas leituras para nós e um 2017 repleto de paz, felicidade e harmonia em nossas almas. Abraço grande.

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.