10 de dezembro de 2016

{RESENHA} Arrow - 3° temporada

Que temporada foi essa Brasil? Começou bem marota, com sobremesa em enrolação, mas ao longo dos acontecimentos resolveu melhorar e mostrou para quê veio. Leiam aqui e aqui as minhas impressões da primeira e segunda temporadas, respectivamente. Vamos conversar um pouquinho sobre a saga do arqueiro verde. #TerceiraTemporada #Arrow Ps: pode conter spoiler.

A liga dos assassinos recebeu destaque nesta temporada. Misticismo arretado que me fez pesquisar no tio Google para ver se existia de verdade e se toda aquela encenação (ou pelo menos boa parte dela) seria real. Claro que é ficção, mas quem dera fosse realidade. Antes de tudo preciso dizer que vi um ser humano em Nyssa e isso é inédito. Ela sempre tão fria e meticulosa. Profissional e dura na queda, me surpreendeu. Ela mostrou que pode sentir empatia por alguém. #épraglorificardepé

Temo dizer que a Liga dos assassinos e seu macabro e habilidoso feat. rei da juventude Ra’s Al Ghul, foram o marco principal de apostas nesta temporada e nada deixou a desejar. Só o fato de alguns personagens não terem tido tanta participação como deveriam, o que é compreensível, tendo em vista tantos universos criados para sustentar e dar continuidade à serie.

Quando começou a temporada ocorreu um fato que eu não esperava nem em um milhão de anos, e sim isso é spoiler, cuidado: Sara foi assassinada. Juro que até hoje lembro a sensação que tive em ver a cena e isso me deixou mal na hora. Fiquei inconformado e pensando "Como pode? Que absurdooo!". Até hoje queria que tivesse sido diferente e a Sara ainda estivesse viva no seriado não só no passado como também no presente. Gostava muito dela.

O segundo episódio traz todo o drama de volta... a notícia da morte de Sara, a tentativa de descoberta do assassino, o pai e a irmã que poderiam receber a notícia, mas isso não ocorre assim tão fácil (até porque um dos dois não fica sabendo de imediato), etc. Há todo um drama digno de novela mexicana e merecedor do Oscar. Há dados interessantes sobre o passado de Felicity, hein? Ela sempre um gênio da computação e ligada em tudo na criação e edição de um mega vírus destruidor que poderia ser usado pelos caras maus para causar estragos em Star/Starling City.

O lugar chamado Nanda Parbat também recebe destaque e mostra nossa limitação de mundo. Traz à realidade lugares que parecem ser sobrenaturais de tão arrebatadores e inquietantes. A energia fica clara e envolve/engole quem chegar perto de sua áurea. O melhor desta temporada foram os últimos episódios sem dúvida.

Thea mitou um bocado nesta temporada. Sendo aquela poderosa e atrevida que aprendeu a se defender, entretanto, quis abocanhar e enfrentar pessoinhas mais poderosas e inteligentes em força e habilidade e por isso sucumbiu mais rápido do que ascendeu (o que já era de se esperar, eu nunca coloquei muita fé na personagem, sempre a acho o elo mais fraco da corrente). No final ela se ferra bonito e com isso - olha o spoiler - morre assassinada pela liga. Aí começa a saga para o poço bíblico de Lázaro para tentar dar outro fim a menina.

Com este poço, aí sim, o sobrenatural entrou oficialmente na série. Espero que explorem mais isso, porque foi extraordinário o desenrolar dos acontecimentos. A cada episódio meu coração saltitava de apreensão e eu ficava formulando teorias acerca do que poderia acontecer e acontecia de maneira totalmente desconexa com meus pensamentos. Queria um poço daqueles no meu quarto. Mesmo ele modificando minha essência mais profunda, rs.

Muitas viagens a montanhas e desertos rodeado de exército de assassinos marcaram os episódios finais. Há uma personagem do passado do Oliver que amei ter conhecido e visto atualmente como ela está. Uma guerreira maravilhosa e sem medo de fazer o que tem de ser feito. Estava ela nas sombras e depois de ter concluído sua missão, voltou para o esquecimento e isolamento no desconhecido. Prefiro não revelá-la, mas quando vocês assistirem irão saber exatamente de quem estou falando. Ontem inimiga, hoje amiga do Oliver. Perdeu tudo que tinha de mais importante, filho, o homem que ama e agora está oca e vazia por dentro.

O casamento de Oliver com Nyssa e seus preparativos, a espada da morte para Oliver (entendedores, entenderão...), velhos personagens saindo, novos chegando saindo na mesma intensidade em que chegaram, as decisões cruciais de vida, morte e aprendizado do arqueiro, nova chefia ao comando da liga dos assassinos (e sim, creio que o papel da liga ainda não acabou e na quarta temporada tem mais!), Thea coitada, esperando na quarta temporada ela começar a soltar as sequelas da morte que sofreu (risos) e outras coisitas mais.

Hoje o dia ficou todo verdinho e positivo porque Arrow é Arrow e escrever sobre esse seriado espetacular é um privilégio. Simplesmente AMEI esta terceira temporada e super recomendo. As paisagens sempre arrebatadoras, personagens sempre marcantes, lutas sempre épicas. Não me admira a enaltação dos personagens adversários porque realmente eram adversários à altura. Fortíssimos e vilões de verdade.

Minha recomendação é que vale a pena assistir sim esta terceira temporada, e apesar de prolongarem por muitos episódios de forma bem desnecessária, a temporada não perdeu o fio da meada e merece destaque pela inovação e qualidade das cenas (o que é um ponto forte para toda a direção e elenco da série). Conhecer partes mais sombrias do passado do Oliver é sempre interessante e desafiador. Um deslize pode causar confusão e contradizer o que já foi mostrado anteriormente e é com este tipo de coisa que os produtores e roteiristas precisam ter cuidado.

Laurel me irritou muito nesta temporada, mas entendi que foi a maneira dela de reagir a morte da irmã. Cada um reage de um jeito peculiar. Mas repito: ela pisou muito na bola e não justificou as atitudes dela com relação a muitas coias. Peguei um abuso tão grande (algo que está sendo quebrado agora na quarta temporada - estou assistindo, pois sempre gostei da personagem). Só tem um personagem que não tem como eu gostar, tentativas falhas: Lance, pai da Laurel. Que personagem asqueroso e nojento. Arrogante, metido e orgulhoso. As qualidades dele não o salvam.

Há um novo super-herói (com uma roupa especial feita por ele, diga-se de passagem), que é destruído assim que começa sua breve participação. E o envolvimento com a Felicity deixa tudo mais interessante ainda e os conflitos com Oliver. Uma pena, pois até gostei da participação dele. Tinha potencial. Espero que algum dia (o que acho muito difícil) ele volte a ter alguma participação de alguma forma. O seriado está se desenvolvendo bem e os fatos estão se desenrolando. Um renovo está rolando e muito do que tinha na primeira temporada não existe mais ou foi modificado. Tudo está se adaptando com o rolar dos acontecimentos, o que é perfeitamente compreensível e bom para o desenvolvimento da série como um todo. Vou finalizar por aqui senão eu falo, falo e falo sem parar. hahaha 

Confiram aqui a lista completa de episódios desta temporada e aqui o trailer para a mesma legendado em português. Beijos de paz (se for pra fazer guerra não me chama que eu não tô/vou). 💣💚😝
Ewerton Lenildo
Ewerton Lenildo

Garanto tudo, menos dignidade. Sou o furacão dos dias mansos e a brisa das trovoadas. Gosto dos detalhes e dos temperos fortes. Tudo o que eu faço na minha vida, faço com supremacia. Onde escrevo: o Viajante das Letras e o Vegano Recifense. 🌲 🌳 🌴

2 comentários:

  1. Oi Ewerton, tudo bem?
    Nossa, você sabe como empolgar a gente! kkkk
    Fui crescendo em adrenalina conforme acompanhava sua narrativa e cheguei a ficar tensa com o final. Ufa! É muita coisa acontecendo ao mesmo tempo! Eu assisti a primeira temporada, mas acabei parando por falta absoluta de tempo. Vivo numa correria doida.
    Um Abraço e um ótimo final de semana.
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lia! Fico grato pelas observações, hehe.

      Realmente é uma avalanche de novos acontecimentos, quando tiveres a chance novamente, retoma o seriado (se for do seu agrado) e vem me dizer o que achou das outras temporadas. Obrigado pelo carinho de ter vindo comentar, abraço grande!

      Excluir

Laços atemporais

Não tenho para onde fugir. Desde sempre quando falo de livro, em livro, com livro, meu coração transborda de amor e vício louco. Quando passo numa banca de DVDs não consigo deixá-la de lado. Tenho que ir, ver, comentar, compartilhar, abraçar. Esta categoria representa tudo o que implica a minha mais alta motivação. Sou bibliófilo, cinéfilo de carteirinha. Passo horas em pé na livraria e perco a noção do tempo. Falar de coisas boa me dá combustível para viver e esta categoria está recheada de presentes bons. Saiba mais aqui.

Festim enigmático

Sempre estou em festa quando falo sobre tecnologia, relacionamentos, inspirações, etc. É isto o que esta categoria representa. Queria um nome que representasse festa, ao mesmo tempo que me inspirasse e a palavra "enigmático" cai como uma luva. Trata de uma euforia que não consigo ignorar. Saiba mais aqui.

Atauúba atiaîa

Eu estava procurando uma maneira de homenagear os povos indígenas de alguma forma no meu blog. Pouquíssimas pessoas sabem, mas recentemente descobri que tenho descendência indígena de bem próxima o que me deixou mais apaixonado e agradecido ainda. Procurei algo mais geral, pois é sabido que há inúmeras tribos espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Procurei algo em tupi guarani (língua em que o nome da categoria está escrita) e achei a combinação de duas palavras. Atauúba (flecha incendiária) Atiaîa (raio de luz que reflete luminosidade). O termo Atauúba atiaîa significa a modo grosso "flecha incendiária de luz" e é tudo o que esta categoria representa para mim quando falo de organização, estudos, etc. É uma maneira mínima de honrar nossos irmãos indígenas ainda hoje tão maltratados, perseguidos e injustiçados. Saiba mais aqui.